20 de mai de 2009

[SPOILER] Titans #13 - Review

Deathtrap
Part 4


Roteiro: Sean McKeever
Desenhos: Angel Unzueta
Cores: HiFi Design

Sinopse

Jericó invade o restaurante D'Olivia e toma os presentes como reféns, anunciando que está segurando um "Gatilho de Bio-Impressão", que explodirá o prédio caso o contato dele com seu dedo polegar seja interrompido. Em seguida, envia para uma estação de TV um vídeo onde ele assassina friamente o gerente do restaurante e ameaça matar um refém a cada dois minutos enquanto os Titãs e os Novos Titãs não chegarem ao local.

Ao ver a cena no noticiário, Mutano se revolta e decide se unir aos outros, deixando Ciborgue sozinho durante sua recuperação nos Laboratórios STAR. Ele pergunta a Donna se desta vez eles lutarão contra Jericó sem se conter e a resposta é positiva. Devastadora encontra-se semiconsciente após inalar múltiplos frascos de adrenalina com o objetivo de aumentar suas habilidades de precognição. À distância, Vigilante os observa.

Flash chega ao D'Olivia antes dos outros e Jericó o desafia a tentar resolver a situação. Os outros Titãs chegam e descobrem que os reféns agora estão amarrados à cargas explosivas. Wally os adverte a não tentarem nada, pois cada possibilidade de ação parece impedida. Eddie tenta confortar uma refém, mas Jericó atira de raspão na sua cabeça. Gar confronta Joey, dizendo que talvez essas tentativas de assassinato contra os Titãs tenham falhado até agora porque o que restou do verdadeiro Joey está impedido-as. Também diz que ele ainda pode lutar contra as vozes em sua cabeça, mas ele não lhe dá atenção.

Jericó declara que detonará os explosivos e que todos os Titãs morrerão ao tentarem salvar os reféns. Quando isto estiver terminado ele planeja procurar seu pai, o Exterminador, para matá-lo e obter o título de maior assassino. Rose se recupera e pergunta se ele também planeja matá-la. Joey diz que ela pode ir embora se quiser, mas ao invés disso Devastadora o faz soltar o gatilho e diz que agora ele morrerá juntamente com todos. Entretanto, Jericó consegue fugir da explosão ao colocar óculos especiais e possuir o corpo de um policial que se encontrava a vários metros de distância. Esse é o mesmo policial que ele havia prendido com olhos abertos (uma clara referência ao filme "Laranja Mecânica") no apartamento da mulher que ele havia assassinado mais cedo naquele dia (como visto em Titans #12). Em seguida, ele sai do corpo do policial e o assassina.

Uma transmissão televisiva do incêndio no restaurante mostra que os bombeiros encontraram os Titãs e Novos Titãs aparentemente mortos. Ao ouvir isso, Ciborgue desperta em fúria e foge dos Laboratórios STAR gritando por Jericó. Sozinho no apartamento, Joey decide procurar por Vic para terminar o serviço, mas começa a ser assombrado pelas vozes das essências dos Titãs que ele acredita ter assassinado. Joey pergunta por que essas vozes não apareceram quando a essência de seu pai e de outros vilões o atormentavam. A resposta é que elas sempre estiveram lá, mas ele se recusava a ouví-las. Isso o deixa em pânico e ele corre para o Central Park.

Vigilante consegue localizar o apartamento, mas Jericó já fugiu. Ele o vê pela janela, acompanhado por outra pessoa, e também se dirige para lá. No parque, Jericó discutia com a voz da essência de seu pai , quando o que parece ser o verdadeiro Exterminador surge e o confronta.

Opinião

Provavelmente o ponto mais polêmico desta edição é o quão efetiva a armadilha preparada por Jericó realmente era. Muitos leitores podem debater que os Titãs poderiam detê-lo facilmente. Ou que o Flash poderia ter feito isso sozinho em um segundo e ainda parado pra lanchar. Ou que aquelas bombas dificilmente matariam pesos-pesados como Donna, Estelar, Moça-Maravilha, Besouro Azul e Granada. E eu realmente não discordo desse ponto de vista.

Em defesa desse plot eu posso dizer apenas o seguinte: Joey está louco, mas não é idiota. Ele jamais se dedicaria tanto àquela armadilha se não tivesse certeza da efetividade dela. Além disso, ele já provou ser mais do que capaz de desenvolver contra-medidas para as habilidades tanto dos Titãs mais velhos (como visto no arco "Caça aos Titãs", na década de 90) quanto dos Novos Titãs (mostrado no Teen Titans Annual mais recente).

A suposta efetividade da armadilha é ressaltada em dois pontos: primeiro quando Jericó desafia o Flash a tentar detê-lo (gerando um "lampshade" no fato de que, obviamente, seria fácil para Wally resolver tudo sozinho); segundo, quando o próprio Flash afirma que todo ângulo está coberto e não há nada que possa ser feito (sendo ele quem é, seria de se esperar que ele já tivesse verificado tudo por conta própria e constatado isso).

Desse modo, acho que o grande defeito narrativo dessa cena é o seguinte: não houve empenho em demonstrar ao leitor PORQUE aquela armadilha era tão efetiva. Nem mesmo com alguma desculpa típica de histórias em quadrinhos (por exemplo, alguma tecno-baboseira referente ao funcionamento dos explosivos e/ou detonadores usados por Jericó). Apenas disseram que era uma grande armadilha e esperaram que o leitor aceitasse isso, sem oferecer justificativas mais aprofundadas. O pior é que esse detalhe poderia facilmente ser usado pra explicar o envolvimento de Jericó com chefes mafiosos na revista do Vigilante. Acredito que para conseguir explosivos comuns, ele não precisaria ir tão longe dentro do submundo. Armamentos para uso contra meta-humanos? Aí a coisa muda.

No que tange interação entre os personagens, ela foi mínima, com alguns poucos bons momentos. Destaque para Eddie amparando Rose, Gar tentando dialogar com Joey uma última vez e Devastadora... desvastando. Minha maior reclamação nesse ponto também se aplica ao arco Deathtrap como um todo: falta de interação dos Titãs com os Novos Titãs e com o Vigilante.

Na minha opinião pessoal, o maior apelo de um arco Crossover é a oportunidade de ver personagens de diferentes títulos trabalhando juntos, interagindo e/ou se enfrentando (geralmente por causa de algum mau entendido ocorrido no momento em que eles se encontram pela primeira vez). Em Deathtrap, os Novos Titãs só se juntam aos Titãs mais velhos perto do fim da história, logo antes de irem com tudo pra cima de Jericó. As várias oportunidades de exploração do relacionamento entre as duas equipes foram totalmente dispensadas. Já o Vigilante, aparece esporadicamente, apenas para sumir logo em seguida ou acompanhar tudo a distância. Fica a impressão de que o arco poderia ter sido abordado em apenas um dos três títulos, incluindo alguns dos outros personagens apenas como convidados.

Embora a história contenha algumas sequencias de narrativa visual boas, a arte em si possui vários defeitos e inconsistências, especialmente na colorização. Balões de fala colocados nos personagens errados também não ajudam.

Saldo Final: na minha opinião, essa edição não foi nem boa, nem ruim. Foi muito sem sabor, por sinal. Não houve tanta interação entre os personagens, não houve tanta ação (apesar de que houve boa dose de violência), os bons e os maus momentos se equilibraram e a trama foi pouco convincente em alguns pontos.

Além disso, houve certa artificialidade, com eventos ocorrendo de forma meio linear, apenas em benefício do plot (como aquela armadilha de eficácia duvidosa). Provavelmente isso se deve ao fato dessa ser uma "história encomendada", que seria originalmente escrita por Judd Winick mas foi repassada para McKeever pelos editores.

Vale lembrar também que Deathtrap começou como uma idéia que Marv Wolfman queria usar na revista do Vigilante. O Editor Executivo da DC, Dan DiDio, gostou tanto daquele conceito que decidiu expandí-lo e transformá-lo em um Crossover envolvendo as duas equipes de Titãs (além de uma certa mini-série chamada DC Universe: Decisions).

Sendo que o último capítulo de Deathtrap será escrito pelo próprio Wolfman, talvez tenhamos alguma boa supresa pela frente (caso tenha sobrado algo daquela dita idéia original).

2 comentários:

Tarcísio Aquino disse...

Ótimo review, Ed.

Concordo com você.

Só gostaria de citar que adorei como o Sean explorou os poderes do Joey, em sua fuga. Muito bom mesmo!

Anônimo disse...

Nao estou gostando nada desta saga, duas equipes de titas contra o Joey e ninguem consegue fazer nada, pelo amor de deus, temos o Flash, a Donna e a Kory na equipe, sem contar a Miss Martian ou a Cassie que com um tabefe bem dado deixaba o Joey KO. Cuando essa serie foi anunciada eu achei que ia ser outra coisa. Nao que o Joey ia ser ridicularizado completamente virando um vilao de quinta categoria sem escrupulos. Mas claro, agora o cyborgue saiu p da vida do hospital e ele sim que vai dar jeito no joey, cuando duas equipes juntas nao conseguirao fazer nada, quem acredita nisso?