13 de set de 2010

Felicia fala sobre Novos Titãs e Super-Choque

O site Comic Book Resources entrevistou a roteirista Felicia Henderson sobre sua saída de Novos Titãs e sobre seu futuro título, Super-Choque.

CBR News: Foi cerca de um ano atrás que primeiro falamos sobre você escrever sobre "Teen Titans". Com sua fase agora chegando ao fim, era tudo o que você esperava?

Felicia Henderson: Eu realmente não tive nenhuma expectativa sobre a experiência. Fiquei animada com ela e não tive nenhuma intenção de estragar a diversão de fazer algo que eu queria fazer por um longo tempo. Houve surpresas - incríveis e maravilhosas e algumas nem tanto -, mas era tudo parte da oportunidade de fazer algo que eu queria fazer desde que eu tinha nove anos de idade quando eu ganhei minha primeira revista de Batman.

CBR: Houve alguma personagem por quem você realmente se atraiu? Quero dizer, você está escrevendo uma nova "série" do Super-Choque, e você deve ter encontrado uma conexão com Virgil Hawkins, mas com quem mais você se conectou um pouco mais do que os outros?

F H: Eu já tinha me ligado com Super-Choque antes de escrever a série. O título do Super-Choque foi o que Dan Didio e eu inicialmente começamos a falar. Em seguida, ele foi colocado em espera e Dan ofereceu-me uma história no anual da Sociedade da Justiça da América. Isso levou a uma oportunidade em "Teen Titans" e eu saltei para ela. Depois que eu comecei a escrever "Teen Titans", eu imediatamente fui atraída para a Moça-Maravilha, porque eu poderia fazê-la ser uma menina lutando o bom combate para provar que ela tem potencial para ser um líder excepcional com uma “auto-dúvida” que vai acompanhando isso, não importa o quão talentosa é. E todos os desafios de tentar equilibrar o trabalho e o amor - muito pessoal.

CBR: Algum dos Titãs te surpreendeu, em termos do que o personagem lhe oferecia como tema uma vez que você começou a escrever ele ou ela?

FH: Essa é fácil: Mutano. Fiquei surpresa com o quanto eu era atraída para Gar. Ele é um personagem tão complexo e maravilhoso com esse genuinamente bom espírito. Ele é um amigo de “fazer ou morrer” que faz de tudo para o pessoas que ele ama. Eu amo isso. Obviamente, eu estava muito consciente de Gar e sua história, mas não até que eu comecei a escrever sobre ele, até que eu comecei a sentir eu não poderia fazer o título sem ele. Eu amo a sua relação com Cyborg. Eu amo que ele fale a sua mente. Eu amo que ele ainda esteja cheio de admiração e ingenuidade, mas é um soldado que quebra-tudo.

CBR: Seu arco atual tem se caracterizado pelos Titãs estarem procurando por um de seus em "The Hunt for Raven". O que você aprendeu sobre a equipe como um todo durante esta missão árdua e qual foi a sua personagem ou personagens que se destacou ao desafio?

FH: Eu não posso dizer muito sobre o papel de Miss Marte em ajudar a equipe, uma vez que eles estão no mundo de Wyld. Eu realmente gostei de vê-la crescer durante esse arco. Ela realmente foi de uma jovem menina para uma Titã madura devido ao seu encontro com The Wyld e seu desejo de salvar seus amigos. O que eu aprendi sobre a equipe é quão forte todos eles são individualmente e quão bem eles jogam entre si. Mesmo quando Granada e Aquagirl estão brigando, são companheiras de equipe em primeiro lugar. Isso foi importante para mim.

CBR: O que você pode dizer sobre a Ravena que os Titãs encontraram? A solicitação para a última edição brincou: "Ravena ainda é sua companheira de equipe - ou ela tornou-se algo maior do que nunca”?

FH: Uma palavra: "Maternidade". De minha mãe, aprendi que não existe qualquer coisa que uma mãe não faz por seu filho. Eu quis brincar com essa idéia quando eu preparava minha passagem pelo título. De certa forma, eu não acho que você conhece uma mulher que é também uma mãe até você mexe com seu filho.

CBR: Alguns heróis que você está apresentando, incluindo a Miss Marte, Granada e Super-Choque, não serão utilizados pelo próximo escritor J.T. Krul. As coisas terminarão mal para alguns deles em "Teen Titans" # 87?

FH: Eu diria que, sim, as coisas não terminam muito bem para alguns dos nossos personagens, mas provavelmente não da maneira que você pensa. Nós, obviamente, sabemos que Super-Choque está saindo porque ele está recebendo seu próprio título. Eu realmente espero que os leitores embarquem em sua viagem no novo título dele. Há um monte de diversão, coisas interessantes, surpreendentes, planejado para ele (...). De certa forma, eu sinto que eu vou ter uma melhor chance de fazer o tipo de histórias que eu sei que eu sou capaz de fazer, porque eu vou ter um herói para focar desde o início. Não importa o que acontece no títuloo, sempre será uma história do Super-Choque. Eu mal posso esperar.

CBR: Com a sua execução do título, que você mesma disse "foi um ajuste perfeito para você porque combina as suas forças em escrever adolescentes, seu amor pelos quadrinhos, sua formação científica, e suas ‘sci-fi’ sensibilidades", chegando ao fim, você tem algum arrependimento após seu ano com a equipe?

FH: Hmm. Eu sou uma pessoa que realmente tenta nunca lamentar. Eu sei que soa um pouco piegas, mas é realmente verdade. Existem coisas que eu tenho feito diferente? Sim. Por exemplo, a partir do momento que assumi o título, eu tinha um arco de nove edições para diminuir o tamanho da equipe para chegar a um núcleo que eu pensei que eu poderia escrever melhor. É muito difícil contar histórias convincentes de cada personagem em um conjunto quando a equipe é tão grande. O que acaba acontecendo é que você está quase sempre com foco na trama por que
você não tem o espaço para contar histórias dos personagens devido a você ter muitos personagens a disposição, assim tudo fica aquém do esperado.

Com a edição # 87, eu finalmente estou terminando o arco cujo principal objetivo era escalar de volta a equipe, para obter os personagens com os quais eu gostaria de avançar. E agora esta equipe está indo em frente sem mim. Eu acho que é mais uma decepção do que um lamento. Se eu tivesse que fazer tudo novamente, eu diminuiria para o meu núcleo cinco vezes mais rápido para que eu pudesse escrever o tipo de histórias que eu realmente não tive a oportunidade de escrever.

Devo dizer que estou realmente muito orgulhosa de # 87 e eu espero que os fãs também estejam. Eu realmente acho que vão gostar. Para mim, foi umaforma absolutamente perfeita de terminar minha fase.

CBR: Você pode compartilhar alguns detalhes sobre o que veremos no título de Super-Choque? Virgil vai interagir com os Titãs ou com o resto do Universo DC?

FH: Como eu disse anteriormente, minha primeira conversa com Dan foi sobre Super-Choque. Uma das coisas que é mais importante para mim e para todos na DC é que Super-Choque seja um título popular, que convide todos os tipos de leitores. Para esse fim, em sua estréia Super-Choque estará mostrando alguns lugares seletos no Universo DC.

Uma vez que ele tem seu próprio título, espero que ele continue a interagir com os outros Titãs. Eles ainda são a sua família. O maior desafio será trazer junto os fãs de longa data dele, enquanto a jornada de atualização do personagem irá trazer novos fãs.

Acho que podemos esperar ver Super-Choque de volta à Dakota, mas não imediatamente. Ele tem uma viagem e tanto pela frente antes de voltar para sua cidade natal. Cyborg, Dra. Rochelle Barnes e Superboy irão todos ter parte em como Super-Choque encontrará a si mesmo.

CBR: O que é que faz Super-Choque ser digno de ter seu próprio título?

FH: Por onde devo começar? Super-Choque é um herói clássico que nunca pediu para ser um
super-herói, mas ele está atendendo ao chamado e agora ele tem de fazer do mundo um lugar mais seguro. Mas ele também é ainda um adolescente que é um pouco estranho, especialmente com as meninas, que está recebendo a oportunidade de explorar o que significa se tornar um super-herói completo. Temos que ir junto com ele, assistir ele crescer, explorar ainda mais o Big Bang, a extensão dos seus poderes estáticos, ou não ele vai continuar a manter sua identidade em segredo, etc, etc.

Tudo isto torna este personagem maduro para este título próprio. É uma das primeiras coisas que Dan me disse e eu concordo - há muito a ser explorado e ele é muito valioso para o DCU. Não há realmente um título dentro do DCU que cubra o mesmo terreno a partir do mesmo ponto de vista.

CBR: Você já teve a oportunidade de discutir Super-Choque com seu criador, Dwayne McDuffie?

FH: Sim. Eu tenho falado com Dwayne via e-mail várias vezes. Finalmente tivemos um encontro cara-a-cara e ele foi muito generoso com seu tempo e conselhos. Passamos várias horas falando sobre o personagem. A melhor parte sobre Dwayne é que ele está muito confiante, o que faz dele muito colaborativo. Ele garantiu me mais e mais que tenho que escrever o título que quero escrever e se eu não fizê-lo se sentir um pouco desconfortável, eu provavelmente estou fazendo alguma coisa errada.

Foi muito libertador ouvir o seu ponto de vista sobre o meu envolvimento. Eu o respeito muito e não quero fazer nada que não iria ser legal com. Ele fez com que eu sabia que eu estou escrevendo com a minha visão criativa, e não tentar fazer o que eu acho que ele faria. Verdadeiramente um homem surpreendente.



Além disso, Felicia ainda falou sobre seu outro trabalho, a adaptação da graphic novel Girl Genius para o canal TNT.

2 comentários:

Tarcísio Aquino disse...

Não sou fã de Felicia. Os diálogos são idiotas e sem conteúdo e ela pecou a tentar elaborar outro arco de uma Ravena corrompida ou sequestrada ou lésbica ou etc, etc...

Entretanto, acredito quem em Static ela pode ter algum sucesso. Em sua passagem pelos TT, a única coisa que não me fez torcer o nariz foram as cenas da vida do Static.

Valeu pelo post, Broilo. Me poupou um grande tempo! E aguardem, pois na quarta postarei a entrevista exclusiva com o Krul. Aliás, a qualquer momento também estará no titanstower.com.

Abraços.

Luiz Felipe disse...

Já vai tarde Felícia. Todas as histórias que ela escreveu sobre os Titãs foram horríveis e quando ele notou quiz fazer a coisa mais manjada de todas...fazer uma busca pela Ravena (convenhamos que isso já tá enchendo o saco, tá ficando igual os X-MEN em relação a quando Profº Xavier desaparecia). Talvez ela se dê bem trabalhando com o Static pois aí não tem como ela acrescentar outros 9 heróis e formar uma equipe.