5 de nov de 2010

Questão de Opinião: As visões da Ravena

Ou "À luz das Emoções - Raven's Update".
Ou ainda "Sim, nós podemos... mudar!"

ATENÇÃO! Este artigo contém Spoilers de Teen Titans #88

Há um tempo resolvi discorrer sobre um novo conceito introduzido no Universo DC pelo popular e polêmico Geoff Jonhs, que serve de base para explicar a mitologia por trás dos diversos tipos de Lanternas hoje existentes e suas respectivas Entidades: o Espectro Emocional. Além de tentar esclarecer como as cores e as emoções se conectam e, até, como interagem entre si, procurei relacionar esse conceito com os nossos queridos Titãs. Claro que poucos são os Titãs que foram ou são Lanternas. Como mencionei à época, apenas Kyle Rayner e Ray Palmer foram. Mas em termos de histórias, poderia render muito aos Titãs. Em especial por se tratar de emoções...

Todo mundo sabe, são em emoções que os poderes de Rachel, a Ravena, se baseiam. Ravena é uma empata, uma pessoa capaz de sentir, até fisicamente, o que os demais sentem em termos de emoções. À época do assassinato de seu pai, Tim Drake, em profunda tristeza, tentou esconder ao máximo seus sentimentos, pois, como ele mesmo disse, Ravena os sentiria como uma mudança de temperatura. As emoções alheias alimentam a herança demoníaca dela e por isso ela teve que aprender a dominar as emoções que sente e como as absorve, desde criança.

Quando falei sobre o Espectro Emocional, o relacionei a Ravena também, pelo fato de ela ser empata e de que nenhum roteirista ainda tinha ligado ela ao espectro emocional. E isso foi o que Krul começou a fazer em Teen Titans #88. Na tal UMA página em que Krul “renasce” a Ravena, depois das atrocidades cometidas por Judd Winick e Felicia Henderson, ela tenta acalmar seu espírito depois da batalha contra os Feral Boys, seres dominados por raiva pura, na solidão de seu quarto na Torre Titã. Ravena sabe o quanto as emoções podem ser perigosas para ela. Desde que renasceu, Ravena tem se contido menos com relação às emoções: tem se relacionado mais com as pessoas, amou, foi amada, teve contato com o puro mau de seu pai e seus irmãos, absorveu emoções intensas, abraçou sua nova vida como se tivesse a chance de ser a adolescente típica que nunca foi. Entre outras coisas, isso ocasionou o nascimento de Wyld. Ravena agora procura ter mais cuidado. Mas não tem como não sentir as emoções alheias, especialmente de seus colegas. Ao sentir a raiva de Rose, o medo de Bart, a força de vontade de Cassie e Conner ou a esperança de Gar, a arte de Nicola Scott mostra os com as auras nas cores das respectivas emoções (Rose com uma aura vermelha, Bart amarela, Kon e Cassie verdes e Mutano azul). Não fica claro se Ravena os vê assim, como o faziam os Lanternas Negros. Mas é um indício do conceito do Espectro Emocional relacionado à capacidade de Ravena de sentir emoções. Se esta será uma nova habilidade sua, não sabemos, mas não seria de todo difícil de aceitar, pelo menos para mim. Ravena já esteve morta, as emoções e as cores agora estão ligadas (como numa banda de Happy Rock), e Ravena já as sente, porque não poderia vê-las também?

O grande problema com a trajetória de Ravena é que ela renasceu. E mais jovem. E experimentou viver essa vida de uma forma nova, com tatuagens, novas roupas, novas interações sociais, e até experimentou o amor. Estas diferenças com a Ravena clássica, instaurada por Marv e George, foram o que geraram indignação e revolta em alguns fãs da personagem.

Talvez eu não seja a pessoa mais indicada para falar sobre a Ravena, afinal eu nem acho que ela tenha mudado tanto assim, apenas acredito que ela tenha se permitido mais coisas, e que, se mudou, todo mundo tem esse direito. Além do mais, Ravena nem é das minhas personagens mais preferidas. A maioria sabe que eu gosto mais dos Novíssimos Titãs. Gosto e respeito muito os clássicos como Donna Troy, Dick Grayson, a própria Ravena, em especial Victor e Garfield, mas eles não são os meus preferidos. Então, talvez, não me coubesse o direito de falar sobre ela, mas é uma Questão de Opinião me expressar aqui.

Não me preocupa o fato de alguns gostarem e outros não de como Ravena é hoje, me preocupa a Intolerância que há, algumas vezes, com relação às mudanças que ela sofreu. Numa época como a nossa em que se prega, e se busca, a aceitação das diferenças (um dos fundamentos do que é Ser Titã) e a liberdade do indivíduo de exercer sua expressão, não se é capaz de se fazer o mesmo com uma personagem de lápis e tinta que amamos durante tanto tempo? Precisamos ignorá-la por ela não “ser mais a mesma”, como um pai ou uma mãe que diz que o filho “morreu” por ser diferente do que eles queriam que ele fosse? As vezes nos apegamos demais a determinados personagens, ou pessoa, e esquecemos que eles tem vida própria. Claro, Ravena é uma personagem poderosa e complexa demais para ser escrita por qualquer um. Mas ela, mesmo sendo uma personagem, tem o direito de dar a sua trajetória o rumo que quiser, mesmo que esse não seja o rumo idealizado por seus pais (tanto Trigon quanto Marv Wolfman). Que mal há em mudar? Em uma tatuagem? Em conviver com a sociedade? Em namorar? Em assistir Gossip Girl religiosamente?

É compreensível tantos sentimentos avessos à atual condição de Ravena, pois somos humanos e temos emoções. Como a própria Ravena definiu: “As emoções são a essência da humanidade”. E se nem mesmo ela consegue sempre controlá-las, quem dirá nós, pobres mortais. Mas primemos pelo respeito, pela tolerância e, por fim, pela felicidade em vermos quem amamos felizes por serem eles mesmos.

Ravena tem experimentado uma vida nova, recheada de possibilidades, inclusive de novos poderes, e de novos amigos. Vamos ignorá-la por não ser mais como era? Vamos ignorar uma amiga por que sua forma de agir mudou? Quem de nós nunca mudou e sofreu por outras pessoas não aceitarem a forma como queremos viver?

10 comentários:

Rodrigo Garrit disse...

Meu xará Rodrigo, MUITO OBRIGADO por tocar nesse assunto... há tempos queria uma chance de falar sobre ela, mas ainda não tinha tido oportunidade. E vou falar como GRANDE FÃ da Ravena que sou... torço muito para que haja um meio termo entre a Ravena clássica e a atual... porque por mais que uma pessoa mude, alguns aspectos básicos da personalidade são imutáveis. Eles poderiam ter criado uma nova personagem com os mesmos poderes e uniforme e chamá-la de "Ravena II"... mas não foi o caso, e sendo ela a mesma de antes, nós que gostávamos da personagem ficamos o tempo todo procurando traços do que ela era (às vezes em vão). Não digo que ela deveria ser exatamente igual, mas repito: é preciso que haja um meio termo... aceito as mudanças de comportamento que qualquer um pode ter, mas o que vemos não é isso... é como se ela fosse outra pessoa... Eu vejo que T.J. Krul está tomando essa direção do "meio termo" e tenho esperança que continue nele.

Rodrigo Broilo disse...

Garrit,
Postei esse texto pois queria expressar minha opinião sobre esse assunto que já estava gerando tanta discussão por aí. Mas tenho percebido que sou o único que não percebe essa descaracterização que todos falam, por isso vou me abster de continuar falando da Ravena...
Mas que bom que com isso vc pode falar sobre ela também.

Rodrigo Garrit disse...

Rodrigo, por favor não entenda meu comentário como uma crítica a sua opinião e nem acho que você deva deixar de dizer o que acha... todos os pontos de vista são válidos, isso foi o que mais gostei no seu post. Esse caso da Ravena gerou essa controvérsia porque, por exemplo, imagine como os fãs do Batman se sentiriam se ele voltasse da morte todo "hippie", descolado, falando gírias... é uma comparação meio exagerada, mas basicamente é quase isso que houve com a Ravena. Mas é como disse, aceito as mudanças que vieram (a adoção do nome Rachel, por exemplo foi um grande acerto), só queria ver a essência da velha Ravena ainda presente ali...
Amigo, não estou contradizendo nada do que disse, apenas tomei a liberdade de completar com o que acho... não sei se isso vale muito, mas estamos aqui pra trocar nossas figurinhas titânicas, não? Rs
Abraços!!

Rodrigo Broilo disse...

Rodrigo,
Por favor não me entenda mal! Não tomei como crítica nada do que disse...pelo contrário!!!
Acho muito bom que vc manifeste o que pensa sobre a Ravena tb e fico muito feliz que tenha comentado, graças a deixa proporcionada por mim...
Entendo todos os pontos que vcs tem apresentado, e como já disse ao Leo, tenho percebido que talvez eu não conheça tanto dela como achava que conhecia. E por isso procuro me abster... entendeu?
Não quero que pra vc também pareça que eu não aceito outras opiniões, pelo contrário... meu comentário foi só pra complementar o fato de que minha opinião, mesmo sendo adversa da maioria, é só uma opinião... e como tem gerado tanta polêmica, acho melhor ficar mais na minha...
Mas não se preocupe, eu estou aqui para isso mesmo, trocar figurinhas! hehe
Desculpe se meu comentário anterior te fez pensar que eu me sentia criticado! Não me expressei bem!

Éden disse...

não faz sentido mesmo.
a questão não é não ter liberdade liberdade para mudar mas sim que essas mudaças não fazem sentido.
Não é também que eu não goste delas mas como eu disse acima é que não fazem sentido e mesmo que nas historias faça parecer que essas mudanças fazem, apenas o escritor fez parecer que faz, eu digo isso considerando qe alguem ai acha que faz sentido essas mudanças, por ler as historias e ver que isto esta certo, mas se acha isso é so por como eu disse o escritor ter contado as historias de forma a fazer parecer que esta certo, mas a mim ele não engana, nem ha algo que faça parecer isso, embora algumas pessoas insitão em dizer que sim(não me refiro a ninguem desse blog)

Rodrigo Garrit disse...

Broilo, não precisa pedir desculpas eu não te entendi mal não... rsrs... O bom desse blog é isso mesmo, a gente conversa, todo mundo diz o que acha. Vamos torcer pra Ravena e os Titãs entrarem numa fase melhor e quem sabe, voltem a ser publicados no Brasil, mesmo que em não seja numa revista própria. Mas isso é tema pra outro post... rs
abraços!!!

Asgardiano disse...

Rodrigo,

duas coisas que me incomoda na nova Ravena. Uma é nome "Rachel", pois sempre achei que Ravena era o nome dela e não codinome. É a mesma coisa que a jean Grey mudar de nome pra "Maria" e usar o codinome Jean.
A segunda é ela não ter o nariz aquilino.

Éden disse...

o nome que ela usa e o nariz são os menores dos problemas

Éden disse...

e não tem meio termo entre uma e outra é como existir e não existir não da para ser os dois ao mesmo tempo, ou é uma ou é outra ou é uma terceira coisa diferente da primeira e da segunda.
na verdade pelo que eu notei ja houve umas trez a do wolfman uma que veio depois a que tinha até agora a pouco, sem contar essa atual ai são quatro.

Éden disse...

se contar a do desenho animado então são cinco pois a do desenho animado também é outro pessoa completamente diferente mas ao contrario dessas outas ravenas ela é bem legal, a melhor de todas