28 de jul de 2009

Exclusiva - Entrevista com Rodney Buchemi

A Torre Titã entrevistou o artista mineiro Rodney Buchemi. Para quem não conhece, ele foi o artista da polêmica TITANS #05, que nunca chegou a ser publicada devido a mudanças editoriais. Infelizmente, não tivemos acesso ao material, que ficou com a DC, mas conheçam um pouco do trabalho deste artista detalhista e com um estilo único.

Rodney Buchemi começou sua carreira em 1998, quando lançou o fanzine HERMÉTICA junto a amigos em Juiz de Fora – MG. Durante o lançamento, em uma Livraria de Belo Horizonte, Buchemi conheceu Cristiano Seixas, diretor do Big Jack Studios e da Escola de Artes Visuais Casa de Quadrinhos, em Belo Horizonte. Ao analisar seu portfólio, Seixas convidou Buchemi a fazer alguns trabalhos free lance para o Estúdio. Assim, Buchemi fez uma Graphic Novel autoral, com o roteiro do próprio Seixas e de Newton Júnior, chamada ÉOS E YEZOD, UM CONTO DE INTESTINE.

Em 1999, Seixas conheceu Dave Campit durante a Convenção de San Diego, entretanto, seus testes não resultaram em nada.

Em 2001, Buchemi começou a trabalhar como ilustrador de uma HQ independente, chamada DREAD AND ALIVE, para Zoolook Ent. Em seguida, o roteirista do Studio Zoolook, Nicholas da Silva, transferiu o artista para um projeto envolvendo Ipods e Play Stations Portáteis – HITLESS. Concomitantemente, trabalhou para Dynamic Forces em STREET MAGIK.

Já em 2004 foi chamado para trabalhar com a editora Dabel Brothers para uma adaptação pra HQ do livro RED PROPHET, de Orson Scott Card.

Em seguida, Buchemi ficou insatisfeito com o agenciamento de Dave Campit e tomou a decisão de ser agenciado por Joe Prado na Art & Comics, em 2008. Assim, o artista realizou trabalhos para a DC (TITANS) e Marvel (HERCULES), além de ainda lecionar desenho artístico na Casa de Quadrinhos.

Como se deu a passagem para as grandes editoras, como Marvel e DC?

Eu estava muito insatisfeito com o agenciamento do Dave Campitt/Glass House Grtaphics e decidi pular fora pra Art & Comics de São Paulo. Daí o Joe Prado, que agencia mais de 40 artistas nacionais e internacionais me pediu dois testes, um do Thor, pra Marvel, e um do Superman, pra DC. E ano passado o Joe foi pra NYComic Con e me enviou um roteiro de uma edição dos TITANS pra DC. Infelizmente, por motivos editoriais, a edição de número #05 de TITANS foi cancelada. Depois disso eu fui pra Marvel começando na linha Adventure e depois peguei HERCULES pra fazer. Até hoje não parei, graças a Deus!

Qual foi o próximo projeto após TITANS #05?

Bem, logo depois de TITANS não apareceu nada porque eu fiquei doente; tive uma infecção de garganta séria que me derrubou por um mês.

Recuperado, no mês de agosto o Joe (Prado) me pediu um teste da WONDER WOMAN pra fazer; no meio do caminho eu tive que pará-lo porque o Joe havia conseguido 12 páginas de uma edição da linha Adventure da Marvel. Seriam 12 pgs dos Vingadores que eu tive que fazer layouts, lápis e arte-final (o Joe e a Germana me deram uma força) digital em uma semana; morri! Mas foi ótimo, pois os editores (Mark Pannica e o Nathan Cosby) me deram carta branca pra eu fazer do meu jeito e me ajudaram pácas! Depois vieram MARVEL ADVENTURE THOR com roteiro da incrível Louise Simonson (esposa do Walter Simonson), HERCULES (tô na quinta edição) e duas especias do HULK, uma com Peter David e outra com Stan -THE MAN- Lee e 10 pgs pro SKAAR, filho do Hulk. Desde então eu não parei e nem quero!

E como você vem desenvolvendo as narrativas? Há alguma interferência editorial, ou você tem liberdade criativa?

Cara, eu tenho liberdade totaal pra desenvolver minha narrativa. Os editores me dão uns toques somente em algum ângulo que ficou meio ruim ou um personagem que possa estar ruim, ou algo do tipo. Um dos roteiristas do HERCULES, o Fred Van Lente, me dá umas idéias muito bacanas quando mando os layouts pra aprovação. Isso tem me dado certa experiência pra construir a narrativa das páginas com mais impacto e dinamismo!

Já sabe o que fará após este projeto?

Bem, após cada edição do HERCULES aparecem algumas especiais e os editores me pedem pra fazer em geral de 10 a 15 pgs com algum roteirista megaboga, saca? Eu fiz 5 edições do Hércules porém, elas não foram em sequência, foram as edições 126 (a origem do Hércules), 133,135, 137 e a 138 que tô no comeconho dela! Não sei se vou ficar regular ainda. Acho que tá meio cedo pra afirmar alguma coisa!


Quais são suas maiores inspirações?

Putz! Pergunta bacana, hein?! Bom, eu sou FÃZÃO de carteirinha dos trabalhos do John Buscema e do Mozart Couto (JF/MG/Brasil), que é meu mentor e amigão! O trabalho dos dois em HQs é grande influência e inspiração pro meu traço! Além deles posso citar Alfredo Alcala, Barry Windsor-Smith, Travis Charest, Drew Struzan, Frank Cho, Olivier Coipel, George Perez, Arthur Adams, Joe Prado, Renato Guedes, Ivan Reis, meu amigo Eddy Barrows, que tem me dado muito apoio desde o começo.

Personagem favorito?

Sem sombra de dúvida é o CONAN!

Você, além de quadrinhista, é artista-marcial e músico. Acredita que esses diferentes estilos influenciam sua vida pessoal?

Muito, principalmente a arte-marcial. Pratico Kung-Fu Shao Lin Boxe desde os 12 anos, que me deu uma noção muito grande de disciplina, autocontrole, autoconhecimento e respeito com meu trabalho e com o próximo, pois você fica conhecendo o real poder que existe dentro de você.
A música fez parte da minha vida por um breve período, mas sem ela eu não consigo trabalhar. Só trabalho ouvindo música. Tenho um gosto bem eclético; gosto de vários tipos de música (axé e funk pancadão, não são músicas pra mim, SORRY). Gosto desde de Straws e Mozart a Pena Branca e Xavantinho! Mas sou fã mesmo é de rock grunge de Seatle; Pearl Jam, Stone Temple Pilots, Soundgarden, Nirvana, etc...

Acho que vou ser crucificado agora, não sou muito fã de Beatles... (SORRY AGAIN)

Tem algum projeto pessoal que desejaria publicar um dia?

Acho que todo cara que trabalha com HQs tem esse sonho! Eu faço parte desse grupo ENORME.... Sim, pretendo publicar algo autoral num futuro próximo!

Gostaria de deixar alguma mensagem para os fãs?

Galera, escutem o que os outros têm a dizer pra vocês a respeito do seu trabalho; mesmo que essa pessoa não saiba nada de desenhos ela terá pelo menos UMA coisa que pode os levar a uma subida mais fácil. Ouvir críticas é bom, mas aceitá-las é um passo BEM maior pro seu crescimento como artista e quadrinista!

Desenhem SEMPRE; em gurdanapos do McDonalds, papel higiênico (limpo) na parede da casa da sua mãe, na última folha do caderno de biologia, no bloco de recados do telefone, enfim... Pratiquem todos os dias e principalmente, aprimorem seus conhecimentos técnicos, isso é muito importante! ESTUDEM!!!

Não fiquem desenhando somente hérois em poses bacanas, faça páginas com uma narrativa legal e dinâmica! Isso conta bastante na hora de apresentar o seu portfólio. Os editores procuram por algo novo e de fácil entendimento, ok!

Mega abraço, galera!!!

Conheçam mais trabalhos de Buchemi em seu BLOG!

2 comentários:

Sandro Victoria disse...

Muito boa a entrevista.Pena que uma decisão editorial nos privou de ver uma boa história(pelo menos é o que foi nos passado). Parabéns mais uma vez,Tarcísio.

Kawabamgaaaaaaaaaa disse...

Quem é esse cara kkkkkkkkkkkkkkkk brincadeira hahaha bem depois de ralar muito o Rod agora colhe os bons frutos ne otima entrevista pessoal.