19 de jul de 2009

Quem é Batwoman e Bat-Girl/Labareda? Parte 5


E surge a nova Batwoman

A primeira referência à Batwoman atual foi feita por Pinguim [Detective Comics #824], que sugeriu a Batman que trouxesse uma companheira para seu clube, provocando: "Por que não traz consigo a nova Batwoman? Ouvi dizer que é muito gostosa!". Em 52 #07 (2006) uma nova Katherine 'Kate' Kane é introduzida. Foi revelado que ela estaria envolvida romanticamente com a antiga policial de Gotham Ciby - Renee Montoya. Em sua terceira aparição, na edição #11 de 52, entitulada "Batwoman Begins", Kane ajuda Montoya e seu parceiro Questão, resolvendo um mistério envolvendo a mansão da família Kane. Quando Montoya e Questão foram atacados por transmorfos, Kane interveio, salvando-os.

Em 52 #28 (2006), após Montoya descobrir sobre o Livro do Crime, ela e Questão retornam a Gotham, juntando forças à nova Batwoman na edição #30, tentando impedir os planos da Intergangue. Mais tarde, Batwoman aparece lutando ao lado de Asa Noturna, em DC Infinite Holiday Special (2006) e, em seguida, aparece beijando Montoya. Nesta estória, escrita por Greg Rucka, é demonstrado que Kate é judia. Na edição #48 de 52 (2007), a Intergangue percebe que há uma imagem de Batwoman na Bíblia do Crime com a citação “duas vezes filha de Cain”. Assim, eles a sequestram, com a intenção de sacrificá-la. Entretanto, com a ajuda de Montoya, Batwoman se salva.

Em seguida, ela aparece em Countdown #39 (2007) e na minissérie Cime Bible: The Five Lessons of Blood (2007). Mais tarde em Final Crisis #03 (2008). Mas, recentemente, teve grande participação em outra minissérie ligada a Final Crisis – Revelations (2008).

Na convenção de 2008, em New York, foi anunciando que Batwoman participaria da Liga da Justiça escrita por James Robinson. Ela estreará como protagonista em Detective Comics, a partir da edição #854.

Já em 2009, na mesma convenção, foi revelado que Batwoman é homossexual. Inclusive, Greg Rucka – roteirista que lidará com a própria em Detective Comics – deu uma entrevista ao site Newsarama, no mesmo período, onde fala sobre o status quo da personagem e até mesmo da participação de Bette Kane, como elenco de apoio.

Abaixo há um trecho da entrevista:

O que pode nos contar sobre a nova Batwoman?

As pessoas já a conhecem desde “52? e “Crime Bible”. Em “Final Crisis: Revelations”, ela se encontra corrompida pela Equação Anti-Vida. Mas, na verdade, ninguém sabe como a personagem se caracteriza. Isso que apresentaremos no primeiro arco - o que a faz tão diferente de Batman.

Quem mais será visto ao lado de Batwoman?

Ela possui seu próprio elenco de apoio. Há poucas pessoas de outros títulos. Maggie Sawyer aparecerá na edição 856; veremos Comissário Gordon; e usaremos um ou outro personagem vindos de “52?.

Eu estava me esquecendo de um personagem muito importante - Bette Kane. Quando introduzimos a nova Batwoman no UDC, percebemos que algumas coisas teriam que mudar no que diz respeito à sua ligação com a Bette. Naturalmente, haverá um parentesco entre elas, mas agora elas serão primas. Vocês verão Bette em Detective Comics #856.

O relacionamento entre Kate Kane e Renee Montoya será sempre um assunto constante. Vocês viram isso em “52?, em “Crime Bible”, em “Revelations”. Esta é a estória que acompanha Kate.

Como vimos em “52”, Kate Kane é homossexual. Como sua orientação sexual de será mostrada na série?

Veja bem, sua orientação sexual não foi revelada em “52?, mas, sim, num artigo do “New York Times“. E isso, de alguma forma, chamou a atenção de todos, por ter vindo de Dan Didio, mas ele nunca disse isso, na verdade. Então, quando ela apareceu em “52" todos diziam: “Oh, a personagem gay!”. Mas, sim, ela é lésbica e ruiva. Este é um elemento da personagem, mas não a personagem em si. Se as pessoas terão problemas com isso, problema deles. Com certeza, não é meu. Meu trabalho é escrever o melhor título que puder sobre a personagem que acho excepcionalmente única. J.H. Williams e a DC também concordam comigo. Então, julguem-na por seus méritos. As pessoas são céticas em relação a ela. Mas, claro! Eles mal a viram! Se eu fosse o leitor, eu também pensaria assim: “Ótimo, nós temos uma ruiva vestindo um traje do Morcego, não é Bárbara Gordon e é gay. É tudo o que sei sobre ela!”. Então, é nisso que estou trabalhando - mostrar quem ela é, de fato.

Assim, traçamos toda a história editorial da personagem Batwoman. Contemporaneamente, a homofobia já não é um grande problema, criando uma singularidade ou até mesmo uma diferença conceitual na personagem, o que pode trazer grandes estórias.

3 comentários:

thiago disse...

Ótima matéria, como sempre, Tarcísio!

Só senti falta de comentários sobre a morte pré-COIE e a suposta morte da Batwoman pós, mas mesmo assim ficou muito bom, grandes detalhes e ótimos comentários!

Ah, o homossexualismo da atual foi comentados desde antes do aparecimento dela em 52 (se não me engano, cheguei a ouvir que até foi comentado pelo Jô Soares[!!])

Tarcísio Aquino disse...

Valeu, Thiago. Realmente faltaram esses detalhes... Vou trabalhar nisso em alguns dias...

Nao sabia do lance do Jo Soares...

thiago disse...

Pois é, eu ouvi dizer isso na época...mas nada confirma (depois dou uma procurada).