12 de set de 2009

Titans #17 - Resenha

The Only Constant

Roteiro: Pat McCallum
Arte: Angel Unzueta
Arte-Final: Wayne Faucher
Editores: Bill Cuningham & Rex Ogle

Resenha

New York

A edição tem início com os Titãs tomando o café da manhã juntos. Garfield tentava explicar porque havia perdido o direito de utilizar o codinome "Mutano". Em seguida, o Titã convida Ravena a ir a um concerto com ele naquela noite, mas ela recusou rudemente.

Então, Gar encontra Donna, que também se encontra muito irritada, descontando no transmorfo os seus misteriosos problemas. Neste mesmo momento, Rapaz-Fera e Cyborg passam a discutir sobre a situação do Titã. Vic diz ao amigo que ele precisa parar de esconder nas piadas seu verdadeiro "eu" e passar a levar a vida com mais seriedade. Cyborg completa dizendo que Gar ainda age assim devido ao passado com Terra.

Concomitantemente, Gar recebe uma ligação de seu agente, na Costa Oeste dos EUA, pedindo que ele comparecesse naquele local para um evento de autógrafos. Após um olhar bem frio de Ravena, ele concorda.

São Francisco

O evento foi composto por heróis e vilões do terceiro escalão. As pessoas se dirigiam ao Rapaz-Fera como "o cara que trabalhava ao lado do Asa Noturna", o que deixou o transmorfo um tanto frustrado.

Um dos convidados para o evento vestiu uma máscara do Exterminador, o que deixou Gar irado, deixando a convenção.

Em seguida, ele encontra os Novos Titãs lutando contra o Cinderblock, ajudando-os. Ele pondera que Cassie não está conseguindo liderar muito bem a equipe, pois percebeu que ela teme que outro de seus amigos morram em batalha (como o que aconteceu com Eddie Bloomberg). Assim, Gar diz à Cassie que ela não é culpada de nada e sai do local ao perceber que a imprensa assediava o grupo.

Após estes fatos, quando a batalha teve fim, Gar, em um quarto de hotel, bem em frente à baía onde se encontra a Torre Titã, cancela o contrato com seu agente e assiste ao noticiário. A cidade se indaga se o grupo não precisaria de um auxílio adulto.

A edição termina com Gar olhando a Torre.

Opinião

Como é sabido por todos, o editor Bill Cunningham trabalhava para a revista WIZARD e foi escolhido por Dan Didio como editor dos títulos TEEN TITANS e TITANS, meses atrás. Desde então, como eles não sabiam o que fazer com TITANS, resolveram elaborar edições únicas na vida de cada personagem até que resolvessem o destino de todos (agora a Liga da Justiça). Para isso, cada edição foi e está sendo escrita por roteiristas diferentes. Eric Wallace escreveu a edição para o Cyborg, que na minha opinião, foi louvável; O mesmo digo para as edições de Estelar (Chris Yost) e Tempest (Krul). Para a edição do Rapaz-Fera, escolheram Pat McCallum, novato no mercado e um dos que trabalhavam com Cunningham na WIZARD.

O roteirista até se esforçou para passar o drama dentro do "casulo" que Gar criou. Claro que o roteiro foi imposto, sendo que McCallum apenas tentou criar certo humor na edição e introduzir um personagem que, até então, existia no desenho animado TEEN TITANS GO! - O Cinderblock. Na minha opinião, o único momento quase engraçado foi quando Gar explicou que não podia mais usar o codinome "Mutano", pois não havia pagado os direitos autorais do nome, perdendo-os, inclusive os do site www.changeling.com, que passou a pertencer a outra pessoa.

Na tentativa de ressaltar a carreira artística de Garfield, o autor falhou ao colocar indivíduos que nem sei se já existiam no UDC. Acho que se ele tivesse explorado a antiga trupe com que Gar trabalhou no passado, seria mais interessante. Falo dos atores que trabalharam com ele em Space Trek. Mais: esta edição seria uma ótima oportunidade para que Matt Logan, o primo de Gar, desse as caras novamente.

Sabe-se que o transmorfo desenvolveu certa ligação com o Exterminador após o CONTRATO DE JUDAS. Então, foi incrivelmente forçada a reação de Gar ao ver que um de seus companheiros, que atendia à Convenção, usava uma máscara do Exterminador. Nota-se que a DC vem ignorando a fase anti-heróica de Slade.

A introdução de personagens de desenhos animados nos quadrinhos até que parece interessante, entretanto, eles sempre acabam sendo ignorados, em seguida. Vejam o caso de Mas & Menos, que nem foram mais citados após Crise Final. Cinderblock, provavelmente, jamais aparecerá novamente.

A edição, em si, foi elaborada para que Garfield voltasse a integrar os Novos Titãs, liderando-os ao lado de Moça-Maravilha. Sabe-se que Ravena, em breve, também retornará ao grupo adolescente. Assim, não irei comentar sobre essa novela "Ravena & Rapaz-Fera", por enquanto.

Sobre a arte, volto a repetir que o Unzueta é um excelente capista e, se tivesse tempo, poderia fazer uma obra de arte no interior. Mas nas edições apresentadas até agora, desde DEATHTRAP até o momento, seu trabalho parecesse corrido e, às vezes, um pouco descaracterizado.

Os fãs estão intrigados com o comportamento de Donna Troy e suas vestimentas (cadê aquela fotógrafa sofisticada?). Bom, mas isso podemos discutir no futuro, pois, com certeza, a edição #20 de TITANS terá o foco na personagem.

Enfim, a intenção de passar um pouco do humor do roteirista para a edição foi boa, mas não me agradou suficientemente para dar 3 estrelas.

Gostaria, entretanto, de ressaltar que a editora responsável pelas publicações aqui no Brasil terá certo trabalho ao lidar com esta edição, pois eles não trocaram a adaptação do codinome do Gar assim que o título foi relançado. Ou seja, ele ainda é chamado de Mutano ao invés de Rapaz-Fera. Chegou a hora disso mudar [risos].

2 comentários:

CLÁUDIO SANT'ANA disse...

Mas o lance da mudança de nome é fácil!

Basta dizer que o Gar não pagou pelos direitos do nome de RAPAZ-FERA, e por isso teve que continuar com Mutano. Assim a Panini não precisa aloprar um nome que está dando mais do que certo. ;-)

Oi, eu sou o Kataploft! ;-)

Tarcísio Aquino disse...

kataaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa....

Há qto tempo, amigo!!!
Nossa, perdemos o contato, hein!
Sim, vc tem toda razão (Duh pra mim). hehehe.. Mas é que prefiro Mutano a Rapaz-Fera...

Como tá a vida amigo?

Mande email..
Abraço