13 de nov de 2009

Titans #19 - Review

"Paternal Instinctis"

Roteiro: J.T. Krul
Arte: Angel Unzueta
Arte Final: Wayne Faucher
Cores: Hi-Fi Design
Editor: Brian Cunningham

Resenha

A edição tem início mostrando Roy ensinando Lian a manusear o arco. Em meio aos ensinamentos, ele vai ponderando sobre as dificuldades de se criar uma filha sozinho. Roy se mudou de New York para Star City, na tentativa de dar uma vida melhor para Lian, que passou a frequentar o jardim de infância. Este não foi o único motivo para a mudança: Roy sentiu que os Titãs estão fragmentados, que não são mais os mesmos, questionando até mesmo a forte ligação que os mantinha.

Em meio à adaptação da nova vida, Lian diz que quer uma pintura nova em seu quarto, e Roy promete que na mesma noite ele deixará seu quarto bem agradável. Ela o faz prometer buscá-la na escola. Enquanto Lian se apronta para as aulas, Roy contempla algumas fotos de seu passado. Ao ver imagens de sua época com a banda "Great Frog", Roy conclui que tem coisas que seria melhor deixar no passado, lembrando de sua fase com as drogas e de sua amizade com Corey, outro integrante da banda e que também compartilhava o uso das drogas com Roy.

Ao deixar Lian na escola, os professores criticam o comportamento de Roy, ao deixá-la na escola. Em seguida, Roy percebe um tumulto nas ruas e se depara com Lady Vic tentando cumprir um contrato de assassinato. Assim, inicia-se uma perseguição que dura o dia todo. Ele e a assassina se enfrentam e, em meio à batalha, Roy passa a desejar que Lian jamais cresça como Lady Vic ou que até mesmo se torne alguém como sua mãe, Lince.

Concomitantemente, Lian está chateada por seu pai não ter cumprido a promessa de buscá-la. Entretanto, Mia - a Ricardita - aparece para pegá-la. Lian não parece satisfeita, mas ao perceber que Mia levou um par de patins para ambas voltarem pra casa desta forma, fica atônita de excitação.

A perseguição de Lady Vic continua e, durante a mesma batalha, Lady Vic quase mata Roy. Prestes a ser subjugado, Roy ganha forças ao imaginar a vida de Lian sem ele (triste, melancólica, sozinha e, possivelmente, submetida às drogas). Assim, o Arqueiro Vermelho a derrota e a leva sob custódia da polícia.

Em sua casa, Lian espera ansiosa pelo aparecimento de seu pai. Mia explica à garota que ele está bem e fazendo algo importante para as pessoas. Lian cai no sono e, ao chegar, Roy pede para que Mia a deixe dormindo no sofá, pois tem uma promessa a cumprir - pintar o quarto de sua filha.

Opinião

A proposta para esta série "Um dia em nossas vidas" foi cumprida com louvor nesta edição. Ao contrário de muitos leitores, que criticaram a edição por não apresentar nada novo, acho que nos foi apresentada uma estória digna de Titãs - relacionamentos.

Sem ser repetitivo, reafirmo que Krul domina muito bem esta temática, principalmente com os Titãs. Ele consegue ligar vários fatos do passado de Roy à sua fase atual. Exemplos disso foram a citação da banda "Great Frog", o contato que Lince e Lady Vic tiveram em seus dias no grupo de Vandal Savage (Tártaro) e o aparecimento de Mia, reforçando a ligação entre os membros da "Família Arqueiro Verde".

Não é novidade que Roy foi usuário de drogas, que cria sua filha sozinho ou que pode manusear muito bem outras armas que não seja o arco e flechas. Não foi à toa que já usou o codinome de Arsenal. Estes foram meros detalhes que Krul usou para nos contar uma estória de amor, cumplicidade e cuidado entre Roy e Lian. O roteirista, pelo menos comigo, teve sucesso.

Citar a banda "Great Frog" foi excepcional (saibam mais sobre ela aqui!). A banda foi algo importante na vida de Roy e quase nunca fora citada após o primeiro volume de Teen Titans (décadas de 1960 e 1970). A inserção de um novo amigo de Roy - Corey - foi interessante, pois este acabara morrendo em decorrência do uso de heroína.

Lian, por sua vez, obteve momentos ímpares: Alternava momentos de maturidade e comportamentos típicos de uma criança de sua idade. Emocionei-me várias vezes durante a leitura, como por exemplo, quando Roy demonstra todo seu amor pela garota ao pintar seu quarto enquanto ela dormia como uma surpresa para o dia seguinte, e quando a garotinha pede para que ele fique com ela na escola. Momentos hilários como a "birra" nas escadas da escola ao esperar pelo pai são admiráveis. Parabéns, Krul.

Gostaria muito que Roy se mantivesse unido aos Titãs, mas deixando minha afeição pelo grupo de lado, é louvável a atitude pai que ele tomou. Acredito que, mesmo assim, o Titã continuará seu contato com o grupo de alguma forma. Entretanto, espero que seja mostrada várias vezes, durante as edições, momentos como os desta edição: relacionamentos. Quero ver mais de Lian, espero...

É válido ressaltar que quando a solicitação desta edição fora divulgada, ela dizia que veríamos consequências da minissérie BLACKEST NIGHT, fazendo-nos pensar em algo fatal no destino de Roy. Entretanto, isto não me incomoda, afinal, a DC têm o hábito de nos "enganar" com capas e solicitações. Naturalmente, pela razão de não estragar a estória com os "spoilers". Acredito que esta edição preparou terreno para algo grande no destino do Arqueiro Vermelho.

Em relação à arte, achei que esta edição foi bem melhor que as anteriores. Não consigo definir se foi a colorização ou algum dinamismo na narrativa. Unzueta desenhou a Lian como ela deve ser: com traços orientais e bem caracterizada como na fase Titans v1.

Frase da edição: "Arco idiota!" - Lian, ao culpar o arco por não ter acertado o alvo durante os ensinamentos de Roy. Hilário!

Nota: Roteiro: 10 / Arte: 08


3 comentários:

V disse...

As últimas edições de Titans têm me agradado muito, mas essa foi uma das melhores. É verdade que tem uma temática bem diferente do que a gente tá acostumado, mas realmente não tem mostrado "nada de novo". Só que é legal ver o cotidiano dos membros. Os Titãs já têm uma bagagem enorme, dá pra explorar bastante suas personalidades.

A próxima é a da Donna, não é isso? Deve ser legal tb ^^

vitor costa disse...

cara dessas ediçoes especiais sobre a vida pessoal dos Titans, so sentir falta do Wally...

Adeus sai

Tarcísio Aquino disse...

Sim, a proposta foi justamente esta...
Um dia na vida de cada um...