12 de jun de 2010

Especial - Enquete - Terceiro Lugar

“Ele me convidou para jantar esta noite... depois de tanto
tempo...


Estou tão ansiosa... onde será? Como eu devo ir? Ele disse
que seria surpresa...


Deve ser algo importante... ele é muito ocupado...sempre foi
muito ocupado. Mas sempre teve tempo para o que realmente importava. Estou
confusa... nossa história ficou no passado... não ficou? Nós vivemos o maior
dos amores, nossa vida era cheia de ação e aventura. Tinhamos amigos a quem
amávamos e erámos... felizes...




Mas tudo muda não é mesmo? Em Tamaran, nunca tive essas
preocupações... os únicos 'princípes' eram os das minhas brincadeiras de
princesa guerreira. A pequena Koriander da casa de Tykal nunca levou seus pensamentos
tão profundamente a outro alguém.... bons tempos em que era apenas uma menina brincando com minha irmã Komander, a
quem tanto amei e que no final só me ofereceu inveja e traição...


Não.. não me lembro
de ter sentido nada parecido com o tive com aquele menino prodígio...


Nosso primeiro contato resume toda a nossa trajetória... um
beijo ardente, através do qual aprendi instantaneamente seu idioma... tiros por
todos os lados, os guerreiros gordonianos e o povo da cidadela que me sequestraram
quando invadiram Tamaran... me torturaram, fizeram experiências comigo... me
fizeram escrava! Mas não por muito tempo... eu resisti, fugi... e foi assim que
cheguei no lindo planeta Terra! Embora o calor delicioso do sol daqui não se compare ao de Tamaran, foi neste planeta que descobri maravilhas nunca sonhadas. E amigos que se tornaram minha nova
família. X´hal, por quanta coisa passamos juntos? Tanta guerra, tantas traições...
e mortes...


Acho que não dá pra definir o quanto ter essas experiências
de quase morte compartilhadas tantas vezes nos uniu. Não importa o quanto
parecesse impossível, nós éramos capazes de tudo... eu nunca vou renegar minhas origens Tamaranas,
mas nada foi mais importante na minha vida do que ser a Estelar dos Novos
Titãs!


Um telefonema seco. Agora sei onde será o jantar. Nosso
antigo 'lugar especial'. Ah, Dick, o que
você poderia ter para me dizer agora? Logo agora que as nossas vidas
descobriram que podem existir separadas....


Algumas pessoas ainda me olham espantadas enquanto caminho
pela rua. A maioria não liga mais. Ser um alienígena na Terra hoje em dia não é
de fato, nenhuma novidade. Ainda dou alguns autográfos, algumas vezes pelo meu
trabalho como modelo, outras para pessoas agradecidas a 'super-heroína'.


Chego ao restaurante apreensiva. Já me envolvi em conflitos
cósmicos de proporções apocalípticas, mas é numa hora dessas que sinto frio na
barriga.


Meia hora de atraso. Tudo pode acontecer. A mesa pode
explodir. Dezenas de bandidos podem atravessar as janelas atirando. Trigon pode
sapatear sobre o restaurante. Uma vez Titã, sempre Titã.


Em vez disso, um garçom vem até mim. 'Senhorita Kory
Anders'? Ele pergunta, como se todos
nesse lugar não soubessem. Em
seguida me entrega um bilhete.


‘Emergência em Gotham. Vou ter que cancelar. Desculpe.’


Tudo bem, menino prodígio. Não sei o que você tinha pra
falar... ou se talvez tudo o que você quisesse era estar comigo mais uma vez...


Também sinto sua falta, Dick. Até a próxima...”




Leia mais sobre a Estelar na coluna "Quem é...?"

Um comentário:

Gustavo Antimonitor disse...

Caramba!Parabens pela forma como você escreveu sobre Estelar!