23 de jun de 2009

Quem é Batwoman e Bat-girl/Labareda? Parte 2

Criação

O grande conceito do terapeuta [Frederick] Wertham contra os quadrinhos foi que os leitores imitariam os crimes cometidos na ficção. Entretanto, seu alvo mais notório, foi revelado em seu livro – The Seduction of the Innocent (A Sedução do Inocente) [Tradução livre do título pelo autor do artigo] – Batman. Ele dedicou quatro páginas de seu livro para persuadir a audiência dos anos 50 de que Batman e Robin eram gays e que isso levaria os leitores juvenis à perdição. “Eles vivem numa mansão linda, com flores viçosas em grandes vasos, com um mordomo”, escreveu Wertham. “É como se isso fosse um sonho de dois homossexuais vivendo juntos e isso estimula a fantasia das crianças”, dissertou o escritor. Sua única evidência para essas afirmações vieram de seu Centro de Reabilitação (Wertham possuía uma clínica especializada em tratamento psicoterapêutico para dificuldades sexuais), onde alguns indivíduos imaginavam ser o próprio Batman. A despeito de não haver nenhuma evidência concreta de causa-e-efeito nessa situação, essas afirmações polemizaram as questões sexuais em uma era intolerante a tal assunto.

Claro que é um absurdo especular o que Batman e Robin faziam quando estavam com as portas fechadas, pelo simples fato de não serem personagens reais, ao contrário dos pacientes de Wertham. Os criadores de Batman eram, evidentemente, heterossexuais e jamais deram algum tom homossexual em suas estórias. É muito provável que eles estavam focados nas consequências de Batman ter uma jovem garota vivendo com ele, naquela mansão. Entretanto, acabaram caindo na armadilha de tentarem evitado tal polêmica ao manter na mesma mansão apenas homens, o que alimentou fortemente as dissertações de Wertham.

Mas, qual a importância disso? Alguns dizem que a homossexualidade é genética, outros dizem que é questão de educação, mas apenas Wertham pregou que tal situação fosse gerada por quadrinhos. E na próxima década, os escritores, artistas e editores de Batman lutaram bravamente para mostrar que os quadrinhos não gerariam gays ou delinquentes juvenis. Assim, produziram as mais fortes estórias de Batman já vistas. Foi nessa justificativa que houve o surgimento de inúmeros personagens no universo do Morcego, criando uma atmosfera familiar, além da introdução de vilões mais elaborados.

[Continua]

Nenhum comentário: