31 de mar de 2010

Especial - Rapina & Columba - Parte 1

Hank e Don Hall

Criados por Steve Ditko e Steve Skeates, os irmãos Hank e Don hall apareceram, pela primeira vez, em SHOWCASE #75. Ambos adquiriram poderes que aumentaram suas forças e resistências através de uma misteriosa voz (mais tarde em SECRETS ORIGINS #43 explicou-se que vinha dos apaixonados Lordes da Ordem e do Caos), passando a combater o crime como Rapina e Columba, respectivamente. Seus ideais distintos determinaram os super-heróis que se tornariam - o agressivo Rapina e o pacifista Columba.

O conflito central da série HAWK & DOVE (no original, em inglês) não se caracterizava pelas batalhas entre heróis e criminosos da cidade de Elmond, mas, sim, como já dito, através das ideologias extremistas dos personagens Hank e Don Hall. Hank Hall, o irmão mais velho era um militante, que acreditava que a força física era a solução dos problemas, especialmente por serem super-heróis. Como Rapina, ele liderava as batalhas, agindo instintivamente. Don Hall, o irmão caçula, por sua vez, procurava mostrar o pacifismo à comunidade jovem da época, acreditando que a violência não solucinaria problema algum. Ele preferia usar o raciocínio a praticar violência. Seu maior problema era o fato de que seus ideais intensos colocava em xeque a idéia de se manter como super-herói, mas, ao mesmo tempo, era o que mantinha o comportamento de seu irmão, Rapina, estável. Sua indecisão em batalha fazia dele pouco efetivo, enquanto as discussões filosóficas entre os irmãos pioravam quando o pai, Irwin Hall, um juiz arrogante, porém respeitado, criticava a atuação de Rapina & Columba, pois ele desconhecia o fato de que os vigilantes eram seus próprios filhos.

A série durou seis edições (1968 - 1969), das quais Ditko trabalhou apenas na primeira. Skeates, por sua vez, infeliz com a direção que o título tomava, sentia que Don se portava inefetivamente, enquanto Ditko preocupou-se como o primeiro caracterizou o Rapina. Assim, Skeates deixou o título após a quarta edição, sendo substituído por Gil Kane, que trabalhou até o último número.

O editor Carmine Infantino foi entrevistado pela Revista Comic Book Artist #01, em 2000, quando falou dos heróis:

CBA: Você elaborou tudo com Steve Ditko?

Carmine: Sim. Steve veio ver-me e eu acabei gostando dele. Ele tem uma personalidade forte, mas é o Steve. Então, ele fez algumas edições para mim, mas, infelizmente elas não venderam.

CBA: Você se lembra de como nasceu a idéia? Carmine: Foi minha e não funcionou. Steve chegou e eu simplesmente joguei a idéia sobre ele, chamando um de Rapina e o outro de Columba. Foi uma idéia inteligente e Steve escreveu e desenhou, mas, como disse, não funcionou. Naquele tempo, não tínhamos medo de tentar as coisas. Havia minha promessa de apenas tentar, pois isso é o que podia ser feito.

Dick Giordano entrevistado pela Comic Book Artist Magazine #1, 2000

CBA: Você esteve com Rapina e Columba durante suas concepções?

Dick: Na verdade, entrei como editor bem na metade da estória de Rapina & Columba em SHOWCASE. Steve Ditko já estava trabalhando com eles e, concomitantemente, Steve Skeates passou a trabalhar dali com um roteiro. SHOWCASE era o ideal, pois Steve seguiu basicamente o que Ditko queria. Entretanto, daquele momento em diante, aquilo foi terrível para ambos.

A idéia básica para a dupla surgiu de Ditko e o conceito era um triângulo: pai severo que era representado pelos dois filhos, e todas as outras coisas foram reunidas para fazer o triângulo funcionar. Os poderes foram discutidos em seguida. "Rapina & Columba", naquele momento, um termo usado com frequência, muito popular devido à Guerra do Vietnã; Haviam "rapinas" e "columbas". Os dois garotos representavam muito os extremos e, para fazê-los funcionar, usamos o pai para julgar estes extremos. Seus nomes - Hank para Rapina (Hawk) e Don para Columba (Dove) foram escolhidos para ilustrar bem este aspecto. Eram simples e coesos; quase uma parábola. Não tenho certeza onde Skeates se encaixou ali, mas acho que ele se identificou mais com Hank.

Steve Skeates entrevistado pela Comic Book Artist Magazine #5, 1999

CBA: Como foi a concepção de Rapina e Columba?

Steve: Foi desenvolvida através de um comitê em que eu, Dick [Giordano], Carmine [Infantino], Steve [Ditko] nos encontramos. Carmine veio com o título em cada reunião e, parte do conceito estava diretamente relacionado à "contra-cultura". Minha principal contribuião foi a sugestão de que os personagens deveriam pronunciar seus codinomes para se transformarem nos heróis.

Eles queriam que os personagens utilizassem um nome mágico, como "Shazam", por exemplo, mas eu sugeri que eles dissessem seus codinomes apenas. Eles gostaram e a idéia foi aceita. Também criei a comunidade onde eles viviam, o colégio da cidade, enquanto Ditko elaborou os conceitos principais, tais como uniformes, poderes etc.

CBA: Houve mudanças em suas estórias?

Steve: Foi estranho, pois muitas das mudanças ocorreram após elaborarmos o roteiro. Eu havia sugerido que Columba representasse o status guerreiro, mas depois, mudaram o conceito para o Rapina, naturalmente. Eles afirmaram que este conceito não caberia em Columba, ao contrário das características pacíficas ou até mesmo covardes. Eu acho que eles não sabiam, na verdade, quem seria o Columba. Em seguida, muitos problemas surgiram, até porque eu trabalhava à distância - na época eu viva em um campus universitário (daí a idéia de utilizarmos o colégio nas estórias). Na verdade, Ditko e Denny O'Neil se concentravam mais em BEWARE THE CREEPER do que eu e Steve em RAPINA & COLUMBA, pois Denny trabalhava de perto e podia argumentar ao mesmo momento em que diferenças criativas surgiam. E o que eu poderia fazer à distância? Discordar com o título após já ter sido lançado? Entretanto, o título foi bem recebido pelos leitores.

Uma das regras foi que você não poderia questionar autoridades toda vez que eu quisesse que Columba dissesse algo contra o governo americano. Dick mudaria esses diálogos referindo ao governo com um "eles". Em minha opinião, isso mascarava nossos objetivos, além de atrapalhar o seguimento da estória.

CBA: Foi mais confortável trabalhar no título após a saída de Ditko?

Steve: Assim que Dikto deixou o título, aparentemente por estar doente, e Gil Kane chegou, tentei trazer o conflito que planejava e mudar a direção da revista, fazendo com que Columba mudasse. Gil nunca entendeu aonde a caracterização segueria e pensou que eu fosse a reencarnação do Rapina. Para melhorar o título, entretanto, seria necessário trazermos certa solidificação no conceito do Columba. Era o que eu planejava, mas o título não sobreviveu o suficiente para concretizarmos isso.

CBA: Você tem uma reputação hippie na DC. Surpreendi-me ao perceber que isso acabou funcionando para eles.

Steve: Eu contava com pessoas como Roger Brand que me disse: "Deus, você não está representando o Rapina como eu pensei". Ele realmente achava que eu lia as edições. O primeiro roteiro que escrevi, realmente, foi editado por Ditko, acrescentando algumas cenas e tirando outras. Assim, tive que retornar ao estilo Marvel, mesmo já tendo terminado o roteiro. Foi ridículo. A partir da segunda estória (The Hawk and the Dove #4), eu pedi que eles mesmos tomassem conta dos roteiros, argumentando: "Já que vocês mudam todo meu roteiro, escrevam vocês mesmos". Eu tentava dar algum sentido aos personagens, em vão.

A estória chamada "The Sell-Out" foi inspirada do filme "The President's Analyst". Há tempos eu não lia a edição e, quando alguém, recentemente, enviou-me uma cópia, fiquei surpreso do quanto eu gostei da estória [risos].

Após o cancelamento da série, os personagens tornaram-se membros regulares da Turma Titã (divisão Costa Oeste). Columba morreu em 1985, durante o evento conhecido como CRISE NAS INFINITAS TERRAS, ao salvar um garoto que estava sendo atacado por um dos demônios das sombras do Antimonitor. Esta criatura agiu por trás, deixando Rapina inapto a ajudar seu irmão.

Em homenagem ao jovem herói, os Titãs preparam sua estátua no Memorial da Torre Titã, em São Francisco.

Rapina, por sua vez, passou a agir solitariamente e, sem seu irmão para ajudá-lo a conter sua ira, acabou tornando-se excessivamente violento a ponto da comunidade super-heróica considerá-lo tão ameaçador quanto os super-vilões.

Tempos depois, ambos apareceram rapidamente na graphic novel THE DARK KNIGHT STRIKES AGAIN.

Lilith & Columba: Par Titânico

Em THE NEW TITANS - SECRET ORIGINS ANNUAL #3, George Pérez apresentou a história do grupo Pós-Crise: "Estou escreveno um anual com as origens secretas de todos os Titãs, enquanto Marv escreve o anual propriamente dito. Minha origem estabelecerá a origem de metade dos personagens como Águia-Dourada e Abelha, por exemplo. Além disso, deixaremos claro quem existiu realmente e quem não, os poderes que tinham e como visualmente eles poderiam ser". Esta edição foi escrita por Pérez, tendo como artistas Tom Grummett, Kevin Maguire & Karl Kesel, Colleen Doran & Romeo Tanghal, entre outros.

Uma das mudanças que este especial proporcionou para a história do grupo após a Crise nas Infinitas Terras foi o fato de Lilith estar namorando o Columba durante a formação dos Titãs da Costa Oeste. Entretanto, este relacionamento pode também ser visto em NEW TITANS #56, onde Columba sente ciúmes de Lilith e o "homem das cavernas", Gnarrk.

Um comentário:

Rodrigo Garrit disse...

Adorei esse post! Parabéns Tarcício!!!!